19/11/2010

Sem tempo, apenas um olá

Adorei os vossos comentários ao post anterior. Sem tempo para responder nem para vos visitar, deixo Nuno Júdice:


A Voz que Nos Rasgou por Dentro
De onde vem - a voz que
nos rasgou por dentro, que
trouxe consigo a chuva negra
do outono, que fugiu por
entre névoas e campos
devorados pela erva?

Esteve aqui — aqui dentro
de nós, como se sempre aqui
tivesse estado; e não a
ouvimos, como se não nos
falasse desde sempre,
aqui, dentro de nós.

E agora que a queremos ouvir,
como se a tivéssemos re-
conhecido outrora, onde está? A voz
que dança de noite, no inverno,
sem luz nem eco, enquanto
segura pela mão o fio
obscuro do horizonte.

Diz: "Não chores o que te espera,
nem desças já pela margem
do rio derradeiro. Respira,
numa breve inspiração, o cheiro
da resina, nos bosques, e
o sopro húmido dos versos."

Como se a ouvíssemos.

Nuno Júdice, in "Meditação sobre Ruínas"

E para descontrair...
Recebi por e-mail

8 comentários:

JPD disse...

O comentário ao poema.

O Nuno Júdice é dos nossos melhores poetas contemporâneos.
Sou um incondicional da sua obra.
Excelente escolha.

Comentário à ilustração:

Se a edição fosse de um blogger masculino experimentaria a vergonha e ameaça de sivícias no pelourinho, na praça pública por falta de consideração pelas senhoras.
Machista misógino!

Assim, todos nos riremos.
Muito giro, digo eu.

Bjs

Isa GT disse...

Olá :)
Gostei de tudo... até de descontrair lol

Bjos

Rosa dos Ventos disse...

E ouvimos a voz...se estivermos atentos ao nosso rio interior...

Quanto à imagem só te digo que não entro muito neste paradigma feminino... :-))
Fico sempre atrapalhada quando as amigas ou outras mulheres me observam.
Sei que estão a fazer contas aos anos que eu tenho a "farpela" que visto! :-))
Por isso não há reciprocidade de olhares... :-))

Abraço

Lilá(s) disse...

Gostei, porque gosto de Nuno Júdice...
Bjs

Justine disse...

Grande poema do Nuno Júdice!
Chegaria para uma pausa de descontracção! A ilustração é divertida e com enorme sentido de observação:))

Ana disse...

O poema é belíssimo.
Mas a pausa para a descontracção... ai, ai... isso de estar sempre a dizer mal das mulheres...

Rita Norte disse...

Gostei do post todo, mas a parte de descontrair está mesmo engraçada :)

Carlos Pires disse...

A imagem é tirada da BD "Zits" de Jerry Scott and Jim Borgman. Em Portugal a maior parte dos livros da série estão publicados na Gradiva. São muito bons.