12/12/2010

O açúcar...

Há muito tempo que não escrevo. Tentar fazer um doutoramento tem destas coisas; não escrevo o que gosto e também não estou a escrever o que devo ao ritmo que devia.
Gosto de visitar  outros blogues, ler e comentar o que escrevem, mas por estes tempos,está cada vez mais difícil.
Numa altura em que falta o açúcar fui à lata onde guardo os pacotinhos que trago do café  -  gosto da preciosa bebida  amarga - e foi quase como ir ao psicólogo; boas frases, sintéticas e algumas muito certeiras.
Eis alguns exemplos:
  •  Um dia fujo sem olhar para trás - vou estar uns dias ausente, longe do país, do computador, do telefone... 
  •  Um dia trocamos as lágrimas por sorrisos - é uma boa promessa para o novo ano...
  • Um dia vou parar, só para puder continuar - profunda, eu sei!
  • Um dia vou viajar sem ninguém saber. Eu queria, mas sempre acabei por avisar alguns...
  •  Um dia vais perceber o que é ter borboletas no estômago. - sem comentários...
  • Um dia apago todas as luzes do mundo para o meu coração te iluminar o caminho. - para quê?
  • Um dia escrevo para ti -  Já desisti..
  •  Um dia vou surfar nas ondas do paraíso. 
Não vou surfar, mas  até breve! (são só umas feriazitas...)

11/12/2010

Concertos de Natal 2010

Concertos de Natal 2010
5 a 19 Dez
#
De volta às igrejas de Lisboa estão os Concertos de Natal, desta vez organizados pela EGEAC – Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural. A Igreja de São Nicolau acolhe o primeiro concerto com um programa que inclui coros de O Messias de Händel e canções tradicionais portuguesas de Natal, de Fernando Lopes Graça, interpretados pelo Coro Sinfónico Lisboa Cantat. Durante cerca de quinze dias (5 a 19 de Dezembro) a música de vários agrupamentos e orquestras faz ecoar o espírito natalício. O Coro Regina Coeli, a Orquestra Sinfónica Juvenil, A Companhia de Ópera do Castelo e a Orquestra Filarmonia das Beiras, são alguns dos participantes desta iniciativa. O concerto de encerramento tem lugar na Igreja de São Domingos, pela Orquestra Portuguesa de Câmara – representante de uma nova geração de talentos musicais – e sob a direcção de Pedro Carneiro. Os programas escolhidos para os vários concertos incluem música sacra, hinos e cânticos natalícios, de nomes tão sonantes como Bach, Haydn e Tchaikovsky.

Programa:
IGREJA DE SÃO NICOLAU
R. da Vitória
218 879 549
Coro Sinfónico Lisboa Cantat
Jorge Carvalho Alves, direcção musical
5 Dez: 16h
IGREJA DA MADALENA
Lg. da Madalena, 1
218 870 987
Ensemble Peregrinação – Escola de Música do Conservatório Nacional
Teresita Gutierrez Marques, direcção musical
10 Dez: 21h30
IGREJA DA MEMÓRIA
Lg. da Memória
213 635 295
Grupo Coral do CEMM – Centro de Estudos Musicais da Maia
Fernando Teixeira, direcção musical; Marta Oliveira, piano
11 Dez: 16h
IGREJA DA GRAÇA
Lg. da Graça
218 873 943
Coro Regina Coeli & Orquestra Filarmonia das Beiras
António Vassalo Lourenço, direcção musical
12 Dez: 16h
BASÍLICA DA ESTRELA
Pç. da Estrela
213 960 915
Orquestra Sinfónica Juvenil
17 Dez: 21h30
IGREJA DE SANTO AGOSTINHO
R. Direita de Marvila, 9-A
Companhia de Ópera do Castelo
18 Dez: 16h
IGREJA DE SÃO DOMINGOS
Lg. de São Domingos
213 428 275
Orquestra de Câmara Portuguesa
Pedro Carneiro, direcção musical
19 Dez: 16h
#
#
Informações Úteis: Entrada Livre218 820 090 (EGEAC)


10/12/2010

Natal à Beira-rio


Reencontrei este poema, por acaso. mesmo sem apreciar o Natal aqui fica:


É o braço do abeto a bater na vidraça?
E o ponteiro pequeno a caminho da meta!
Cala-te, vento velho! É o Natal que passa,
A trazer-me da água a infância ressurrecta.
Da casa onde nasci via-se perto o rio.
Tão novos os meus Pais, tão novos no passado!
E o Menino nascia a bordo de um navio
Que ficava, no cais, à noite iluminado...
Ó noite de Natal, que travo a maresia!
Depois fui não sei quem que se perdeu na terra.
E quanto mais na terra a terra me envolvia
E quanto mais na terra fazia o norte de quem erra.
Vem tu, Poesia, vem, agora conduzir-me
À beira desse cais onde Jesus nascia...
Serei dos que afinal, errando em terra firme,
Precisam de Jesus, de Mar, ou de Poesia?
 

in "Obra Poética 1948-1988" de David Mourão-Ferreira

05/12/2010

DOS AFECTOS - Mario Benedetti

 
Como fazer-te saber que há sempre tempo?

Que temos que buscá-lo e dá-lo…
Que ninguém estabelece normas, senão a vida…
Que a vida sem certas normas perde formas…
Que a forma não se perde com abrirmo-nos…
Que abrirmo-nos não é amar indiscriminadamente…
Que não é proibido amar…
Que também se pode odiar…
Que a agressão porque sim, fere muito…
Que as feridas fecham-se…
Que as portas não devem fechar-se…
Que a maior porta é o afecto…
Que os afectos definem-nos…
Que definir-se não é remar contra a corrente…
Que não quanto mais se carrega no traço mais se desenha…
Que negar palavras é abrir distâncias…
Que encontrar-se é lindo…
Que o sexo faz parte da lindeza da vida…
Que a vida parte do sexo…
Que o porquê das crianças tem o seu porquê…
Que querer saber de alguém não é só curiosidade…
Que saber tudo de todos é curiosidade malsã…
Que nunca é demais agradecer…
Que autodeterminação não é fazer as coisas sozinho…
Que ninguém quer estar só…
Que para não estar só há que dar…
Que para dar devemos antes receber…
Que para nos darem há também que saber pedir…
Que saber pedir não é oferecer-se…
Que oferecer-se, em definitivo, não é querer-se…
Que para nos quererem devemos mostrar quem somos…
Que para alguém ser é preciso dar-lhe ajuda…
Que ajudar é poder dar ânimo e apoiar…
Que adular não é apoiar…
Que adular é tão pernicioso como virar a cara…
Que as coisas cara a cara são honestas…
Que ninguém é honesto por não roubar…
Que quando não se tira prazer das coisas não se vive…
Que para sentir a vida temos de esquecer que existe a morte…
Que se pode estar morto em vida…
Que sentimos com o corpo e a mente…
Que com os ouvidos se escuta…
Que custa ser sensível e não se ferir…
Que ferir-se não é sangrar…
Que para não nos ferirmos levantamos muros…
Que melhor seria fazer pontes…
Que por elas se vai à outra margem e ninguém volta…
Que voltar não implica retroceder…
Que retroceder também pode ser avançar…
Que não é por muito avançar que se amanhece mais perto do sol…
Como fazer-te saber que ninguém estabelece normas, senão a vida?

 A versão original:
DESDE LOS AFECTOS
Cómo hacerte saber que siempre hay tiempo?
Que uno tiene que buscarlo y dárselo...
Que nadie establece normas, salvo la vida...
Que la vida sin ciertas normas pierde formas...
Que la forma no se pierde con abrirnos...
Que abrirnos no es amar indiscriminadamente...
Que no está prohibido amar...
Que también se puede odiar...
Que la agresión porque sí, hiere mucho...
Que las heridas se cierran...
Que las puertas no deben cerrarse...
Que la mayor puerta es el afecto...
Que los afectos, nos definen...
Que definirse no es remar contra la corriente...
Que no cuanto más fuerte se hace el trazo, más se dibuja...
Que negar palabras, es abrir distancias...
Que encontrarse es muy hermoso...
Que el sexo forma parte de lo hermoso de la vida...
Que la vida parte del sexo...
Que el por qué de los niños, tiene su por qué...
Que querer saber de alguien, no es sólo curiosidad...
Que saber todo de todos, es curiosidad malsana...
Que nunca está de más agradecer...
Que autodeterminación no es hacer las cosas solo...
Que nadie quiere estar solo...
Que para no estar solo hay que dar...
Que para dar, debemos recibir antes...
Que para que nos den también hay que saber pedir...
Que saber pedir no es regalarse...
Que regalarse en definitiva no es quererse...
Que para que nos quieran debemos demostrar qué somos...
Que para que alguien sea, hay que ayudarlo...
Que ayudar es poder alentar y apoyar...
Que adular no es apoyar...
Que adular es tan pernicioso como dar vuelta la cara...
Que las cosas cara a cara son honestas...
Que nadie es honesto porque no robe...
Que cuando no hay placer en las cosas no se está viviendo...
Que para sentir la vida hay que olvidarse que existe la muerte...
Que se puede estar muerto en vida..
Que se siente con el cuerpo y la mente...
Que con los oídos se escucha...
Que cuesta ser sensible y no herirse...
Que herirse no es desangrarse...
Que para no ser heridos levantamos muros...
Que sería mejor construir puentes...
Que sobre ellos se van a la otra orilla y nadie vuelve...
Que volver no implica retroceder...
Que retroceder también puede ser avanzar...
Que no por mucho avanzar se amanece más cerca del sol...
Cómo hacerte saber que nadie establece normas, salvo la vida?


Mario Benedetti


01/12/2010

Dos Homens e dos Deuses

Tenho andado muito cheia de trabalho, sem tempo para nada. Há muito que não ia ao cinema, sequer.
Ontem combinamos fazê-lo depois do trabalho.O regresso a casa afigurava-se difícil devido ao trânsito. Fomos até ao King e apenas nós estávamos na sala. Valeu a pena, porque o filme mexeu connosco.
Dos Homens e dos Deuses, é um filme que recomendo. Embora esteja em outras salas, o King será sempre a minha sala de eleição.


"Em 1996, sete monges da Ordem Cisterciense da Estrita Observância são raptados e assasinados em Tibhirine, aldeia aninhada na região argelina do Magrebe. É o culminar da escalada de violência que opõe o Grupo Islâmico Armado (GIA), extremista, ao governo que acusa de corrupto. O impacto deste horrível desaparecimento, cujos contornos exatos estão ainda por esclarecer, extende-se até aos nossos dias, levado agora ao cinema sob direção do realizador francês Xavier Beauvois.
A obra, reconhecida com o Grande Prémio do Festival de Cannes e merecedora da forte e comovida chuva de aplausos que encheram o Palais des Festivals na noite do passado 23 de maio, é uma extraordinária ode à fé, ao amor ao próximo e ao espírito de serviço que cumpre, em estilo e estrutura narrativa, o despojamento do seu sujeito.
Com efeito, é-nos dado comungar a forma abnegada como uma comunidade de homens lida com uma realidade adversa para a qual não contribui senão com a sua vocação de amor e dádiva. Uma vocação reafirmada ao arrepio das pressões externas para abandonarem a aldeia que servem à sua sorte.
Sem ceder a tentações sensacionalistas, Beauvois desvenda aos nossos olhos o dia-a-dia daquele pequeno mosteiro de Tibhirine, dos seus sete habitantes e da pacata população da aldeia local, induzindo progressivamente o adensar do contexto violento que involuntariamente envolve uns e outros.Simples e acessível, a linguagem fílmica pretere o horror dos acontecimentos, trágicos, e da crescente violência, ao espírito com que aquela irmandade os enfrenta. Um espírito sustentado na sua extraordinária força e revitalizado na dúvida e fraqueza pela oração, pelo permanente desejo de união e comunhão, pelo tempo e oportunidade concedidos ao discernimento.
Mais que um nefasto episódio da história política ou religiosa, estamos perante uma obra que nos propõe um caminho, pela busca do verdadeiro sentido da vida: o que os sete monges sacrificados, na sua fé cristã, encontraram, e que Xavier Beauvois tão bem percorre, alumiando-o para crentes e não crentes." Texto daqui

Todo o filme é um desafio ao nosso modelo de vida.
O momento em que os monges ligam o gravador e bebem um vinho não produzido por eles - um luxo - fá-los chorar, porque naquele momento são apenas humanos.
Título Original: Des hommes et des dieux
Intérpretes: Lambert Wilson, Michael Lonsdale, Olivier Rabourdin, Philippe Laudenbach
Realização: Xavier Beauvois
Género: Drama
Ficha Técnica: Duração: 2h2m | Origem: FRA

25/11/2010

Príncipe (Ana Hatherly)


Príncipe (Ana Hatherly)
Era de noite quando eu bati à tua porta
e na escuridão da tua casa tu vieste abrir
e não me conheceste.
Era de noite
são mil e umas
as noites em que bato à tua porta
e tu vens abrir
e não me reconheces
porque eu jamais bato à tua porta.
Contudo
quando eu batia à tua porta
e tu vieste abrir
os teus olhos de repente
viram-me
pela primeira vez
como sempre de cada vez é a primeira
a derradeira
instância do momento de eu surgir
e tu veres-me.
Era de noite quando eu bati à tua porta
e tu vieste abrir
e viste-me
como um náufrago sussurrando qualquer coisa
que ninguém compreendeu.
Mas era de noite
e por isso
tu soubeste que era eu
e vieste abrir-te
na escuridão da tua casa.
Ah era de noite
e de súbito tudo era apenas
lábios pálpebras intumescências
cobrindo o corpo de flutuantes volteios
de palpitações trémulas adejando pelo rosto.
Beijava os teus olhos por dentro
beijava os teus olhos pensados
beijava-te pensando
e estendia a mão sobre o meu pensamento
corria para ti
minha praia jamais alcançada
impossibilidade desejada
de apenas poder pensar-te.
São mil e umas
as noites em que não bato à tua porta
e vens abrir-me
 Ana Hatherly

19/11/2010

Sem tempo, apenas um olá

Adorei os vossos comentários ao post anterior. Sem tempo para responder nem para vos visitar, deixo Nuno Júdice:


A Voz que Nos Rasgou por Dentro
De onde vem - a voz que
nos rasgou por dentro, que
trouxe consigo a chuva negra
do outono, que fugiu por
entre névoas e campos
devorados pela erva?

Esteve aqui — aqui dentro
de nós, como se sempre aqui
tivesse estado; e não a
ouvimos, como se não nos
falasse desde sempre,
aqui, dentro de nós.

E agora que a queremos ouvir,
como se a tivéssemos re-
conhecido outrora, onde está? A voz
que dança de noite, no inverno,
sem luz nem eco, enquanto
segura pela mão o fio
obscuro do horizonte.

Diz: "Não chores o que te espera,
nem desças já pela margem
do rio derradeiro. Respira,
numa breve inspiração, o cheiro
da resina, nos bosques, e
o sopro húmido dos versos."

Como se a ouvíssemos.

Nuno Júdice, in "Meditação sobre Ruínas"

E para descontrair...
Recebi por e-mail

12/11/2010

O teu nome

O teu nome - Miguel Gameiro

Só para afastar esta tristeza
para iluminar meu coração
falta-me bem mais tenho a certeza,
do que este piano e uma canção.
Falta me soltar na noite acesa
o nome que no peito me sufoca,
e queima a minha dor.
Falta-me solta-lo aos quatro ventos
para depois segui-lo por onde for,
ou entao dize-lo assim baixinho
embalando com carinho,
o teu nome, meu amor.
Porque todo ele é poesia,
corre pelo peito como um rio
devolve aos meus olhos a alegria
deixa no meu corpo um arrepio,
porque todo ele é melodia
porque todo ele é perfeição.
É na luz que vem.
Falta-me dize-lo lentamente
falta soletra-lo devagar,
ou então bebe-lo como um vinho,
que dá força pro caminho
quando a força faltar.
Falta-me solta-lo aos quatro ventos
para depois segui-lo por onde for,
ou então dize-lo assim baixinho
embalando com carinho,
o teu nome, meu amor.
Porque todo ele é melodia
e porque todo ele é perfeição.
É na luz que vem.
Falta-me solta-lo aos quatro ventos
para depois segui-lo por onde for,
ou então dize-lo assim baixinho
embalando com carinho,
o teu nome, meu amor.

07/11/2010

Poema de Amor: Carta (Esboço) – Nuno Júdice

Vermeer - Mulher lendo uma carta
Lembro-me agora que tenho de marcar um
encontro contigo, num sítio em que ambos
nos possamos falar, de facto, sem que nenhuma
das ocorrências de vida venha
interferir no que temos para nos dizer. Muitas
vezes me lembrei de que esse sítio podia
ser, um lugar sem nada de especial,
como um canto de café, em frente de um espelho
que poderia servir de pretexto
para reflectir a alma, a impressão da tarde,
o último estertor do dia antes de nos despedirmos,
quando é preciso encontrar uma fórmula que
disfarce o que, afinal, não conseguimos dizer. É
que o amor nem sempre é uma palavra de uso,
aquela que permite a passagem à comunicação
mais exacta de dois seres, a não ser que nos fale,
de súbito, o sentido da despedida, e que cada um de nós
leve, consigo, o outro, deixando atrás de si o próprio
ser, como se uma troca de almas fosse possível
neste mundo. Então, é natural que voltes atrás e
me peças: «Vem comigo!», e devo dizer-te que muitas
vezes pensei em fazer isso mesmo, mas era tarde,
isto é, a porta tinha-se fechado até outro
dia, que é aquele que acaba por nunca chegar, e então
as palavras caem no vazio, como nunca tivessem
sido pensadas. No entanto, ao escrever-te para marcar
um encontro contigo, sei que é irremediável o que temos
para dizer um ao outro: a confissão mais exacta, que
é também a mais absurda, de um sentimento; e, por
trás disso, a certeza de que o mundo há-de ser outro no dia
seguinte, como se o amor, de facto, pudesse mudar as cores
do céu, do mar, da terra, e do próprio dia em que nos vamos
encontrar, que há-de ser um dia azul, de verão, em que
o vento poderá soprar do norte, como se fosse daí
que viessem, nesta altura, as coisas mais precisas,
que são as nossas: o verde das folhas e o amarelo
das pétalas, o vermelho do sol e o branco dos muros.

A Ana que há em nós...

A 18 de Abril publiquei este post. Volto a publicá-lo porque me cruzei com outra "Ana". Afinal parece que existe um pouco da Ana em cada um de nós...
Diz-se que as conversas são como as cerejas. Umas levam a outras e quando damos por isso nem nos lembramos do que falávamos inicialmente.
Falo disto porque no outro dia encontrei-me com uma amiga que não via há muito. Telefonei-lhe a convidá-la para aproveitarmos o dia de sol com que esta tímida Primavera nos brindou.
Acabamos por jantar na Taberna do Chiado, um espaço que aprecio particularmente, e entre atropelos para mantermos a conversa em dia falamos da Ana. O que tem a Ana de especial?
Nada, a não ser a especificidade que é própria de cada um de nós, enquanto seres humanos. Na nossa maldade, intrínseca à juventude ou a cada um de nós, costumávamos apelidá-la de “lerda”. Confesso que por vezes a achava irritante, desinteressante e chata. Até um dia…
A Ana sempre foi tão banal como eu ou outra qualquer, não fora a particularidade de ser capaz de amar intensamente, acreditar no amor e ter esperança que um dia encontraria um príncipe encantado que a protegeria e faria feliz. Penso agora se, no mais íntimo do nosso ser, não achamos todas que isso é possível, mesmo quando a maturidade, o quotidiano e a frieza da vida nos mostram que esta é uma dança, por vezes desafinada, sem que necessariamente seja um drama.
Há muito tempo atrás, talvez 20 anos, a Ana soube que o seu grande amor se ia casar. Para ele, a Ana era a colega “especial” com quem brincava e até achava piada quando ela corava, assim que ele se aproximava. Para ela, ele representava o seu imaginário; a materialização dos personagens dos livros e dos filmes de amor que preenchiam o enorme vazio que crescia dentro dela.
Quando soube que ele ia casar, escreveu-lhe uma carta tão cheia de erros como de amor; não sei se inspirada na literatura ou se conseguiu materializar o que vivia dentro dela.
Uns riram-se, outros ficaram impávidos, eu, pela primeira vez, senti uma enorme ternura pela Ana.
Um dia encontrei-a, na sua inocência em corpo de mulher apressou-se a dizer-me: estou outra vez apaixonada. Queres saber quem é ele? Não queria mas ali fiquei a ouvi-la a descrever-me porque tinha a certeza que ele também a amava. Para fazer conversa perguntei-lhe: - então já esqueceste o Rui?
- Não devemos amar quem não nos ama; ele seguiu a sua vida e agora sei que não gostava de mim. Não achas um disparate uma mulher gostar de um homem que é feliz com outra?
A Ana foi mais sábia do que eu, não obstante a sua debilidade: declarou o seu amor, vestiu-se de preto no dia do casamento do Rui, tal como vira num filme, e depois seguiu a sua vida.
Não sei quantas vezes mais se apaixonou, desapaixonou, sofreu, chorou, acreditou ou partiu o seu coração, mas isso importa?
Porque falamos da Ana?
Disse-me a Luísa, que a tinha encontrado, já com alguns cabelos brancos, como quase todas nós, com o mesmo sorriso e brilho no olhar que sempre a caracterizou. Na paragem de autocarro segredou à Luísa, estás a ver aquele senhor ali? Encontro-o todos os dias e ele sorri para mim, não achas que me ama?
Mas isso foi antes, porque a Ana morreu. Eternamente apaixonada, sempre em busca do amor.
Um brinde à Ana e a todas as sábias “Anas” que conseguem sobreviver à derrota do amor, voltando a amar com o mesmo fervor como se fosse a primeira vez e nunca tivessem sido devastadas.

Uma Esperança

Aqui em casa pousou uma esperança. Não a clássica, que tantas vezes verifica-se ser ilusória, embora mesmo assim nos sustente sempre. Mas a outra, bem concreta e verde: o insecto.
Houve um grito abafado de um de meus filhos:
- Uma esperança! e na parede, bem em cima de sua cadeira! Emoção dele também que unia em uma só as duas esperanças, já tem idade para isso. Antes surpresa minha: esperança é coisa secreta e costuma pousar diretamente em mim, sem ninguém saber, e não acima de minha cabeça numa parede. Pequeno rebuliço: mas era indubitável, lá estava ela, e mais magra e verde não poderia ser.
- Ela quase não tem corpo, queixei-me.
- Ela só tem alma, explicou meu filho e, como filhos são uma surpresa para nós, descobri com surpresa que ele falava das duas esperanças.
Ela caminhava devagar sobre os fiapos das longas pernas, por entre os quadros da parede. Três vezes tentou renitente uma saída entre dois quadros, três vezes teve que retroceder caminho. Custava a aprender.
- Ela é burrinha, comentou o menino.
- Sei disso, respondi um pouco trágica.
- Está agora procurando outro caminho, olhe, coitada, como ela hesita.
- Sei, é assim mesmo.
- Parece que esperança não tem olhos, mamãe, é guiada pelas antenas.
- Sei, continuei mais infeliz ainda.
Ali ficamos, não sei quanto tempo olhando. Vigiando-a como se vigiava na Grécia ou em Roma o começo de fogo do lar para que não se apagasse.
- Ela se esqueceu de que pode voar, mamãe, e pensa que só pode andar devagar assim.
Andava mesmo devagar - estaria por acaso ferida? Ah não, senão de um modo ou de outro escorreria sangue, tem sido sempre assim comigo.
Foi então que farejando o mundo que é comível, saiu de trás de um quadro uma aranha. Não uma aranha, mas me parecia "a" aranha. Andando pela sua teia invisível, parecia transladar-se maciamente no ar. Ela queria a esperança. Mas nós também queríamos e, oh! Deus, queríamos menos que comê-la. Meu filho foi buscar a vassoura. Eu disse fracamente, confusa, sem saber se chegara infelizmente a hora certa de perder a esperança:
- É que não se mata aranha, me disseram que traz sorte...
- Mas ela vai esmigalhar a esperança! respondeu o menino com ferocidade.
- Preciso falar com a empregada para limpar atrás dos quadros - falei sentindo a frase deslocada e ouvindo o certo cansaço que havia na minha voz. Depois devaneei um pouco de como eu seria sucinta e misteriosa com a empregada: eu lhe diria apenas: você faz o favor de facilitar o caminho da esperança.
O menino, morta a aranha, fez um trocadilho, com o inseto e a nossa esperança. Meu outro filho, que estava vendo televisão, ouviu e riu de prazer. Não havia dúvida: a esperança pousara em casa, alma e corpo.
Mas como é bonito o inseto: mais pousa que vive, é um esqueletinho verde, e tem uma forma tão delicada que isso explica por que eu, que gosto de pegar nas coisas, nunca tentei pegá-la.
Uma vez, aliás, agora é que me lembro, uma esperança bem menor que esta, pousara no meu braço. Não senti nada, de tão leve que era, foi só visualmente que tomei consciência de sua presença. Encabulei com a delicadeza. Eu não mexia o braço e pensei: "e essa agora? que devo fazer?" Em verdade nada fiz. Fiquei extremamente quieta como se uma flor tivesse nascido em mim. Depois não me lembro mais o que aconteceu. E, acho que não aconteceu nada.
Clarice Lispector
Sobre o insecto: Esperança.
A esperança tem a vida breve apenas um verão. Ao chegar o Inverno morre por causa do frio.No final do outono, porém, pouco tempo antes de morrer a esperança coloca os ovos na terra, e estes mais resistentes conseguem sobreviver às baixas temperaturas.
Na primavera os filhotes(ninfas) saem dos ovos para continuar o ciclo de sua espécie.
As esperanças, tal como os seus "primos" grilos pertencem à ordem Orthopteras,   que reunem numerosas espécies entre elas o gafanhoto.

06/11/2010

Notícias do Zori

ACTUALIZAÇÃO 05/11/2010:
A semana está quase a finalizar e infelizmente até ao momento não obtive nenhum contacto quer para ficar em regime de FAT para a semana que ira entrar, nem mesmo um contacto de interessados em adoptar o Zori. O nome Zori quer dizer “sorte” em Língua Basca, mas até agora a única sorte que este lindo teve foi cruzar o meu caminho no estado em que se encontrava, pois parecer que ninguém se apaixona por ele :-(
Não sei se os contactos não surgiram por pensarem que o Zori precisa de tratamentos especiais, informo que o Zori está bem, esteve esta semana a fazer antibiótico e anti-inflamatório para as dores, amanha será visto pelo vet que o tratou, mas só e unicamente porque este o gostaria de ver e perceber se tudo correu da melhor forma. Portanto o futuro adoptante não terá qualquer despesa por causa do seu estado, os pontos são internos, e de resto é esperar que lhe nasça o pelo e fique ainda mais lindo do que aquilo que ele já é.
O único tratamento especial que o Zori precisa e não dispensa é atenção, mimos, carinho, companhia e amor.
Relativamente a despesa, gostaria de agradecer a todos os que se sensibilizaram com o caso do Zori e me ajudaram contribuindo para liquidar a despesa veterinária, aproveito também para informar que já foi angariado a totalidade do valor, agradeço façam circular o apelo afim de pararem com as contribuições.
Amanha vou ver se consigo novas fotos deste maluco :-)
Relembro os contactos para adopção: 911040816 / ajuda4patas@sapo.pt ou mensagem privada no facebook.
Encontra-se no Porto
Um bem haja a todos e um muito obrigado em nome do Zori.
Patrícia – Ajuda 4 Patas
http://www.facebook.com/ajudaquatro.patas#!/album.php?aid=44805&id=100000493779608&fbid=168547376505054

O único cartaz do Cavaco: "Custou-nos 4 mil milhões..."

E, porventura e desgraça, ainda não sabemos tudo sobre a fraude do século e suas adjacências.... QUE TEREMOS QUE PAGAR...
Cavaco Silva disse, na apresentação da sua recandidatura, que não vai haver um único cartaz/outdoor seu na próxima campanha.
 Eis o único Cartaz de Cavaco nas próximas eleições presidenciais:
Custou-nos 4 mil milhões....
Recebido por e-mail

04/11/2010

Ofício...

Faz o Governo saber que, até nova ordem, tendo em consideração a actual situação das contas públicas e como medida de contenção de despesas, a luz ao fundo do túnel será desligada.

02/11/2010

Quando os fantasmas nos visitam...

 
"fecharia os olhos sob os anéis dos astros e entre os violinos e os fortes poços da noite, descobriria a ardente ideia da minha vida."
herberto helder
Hoje só me apetecia ficar na minha varanda mágica a olhar o mar... depois a determinada altura o cérebro ficaria vazio, o coração de tanto doer deixava de se sentir, o vento trazia\as folhas que por ali queriam passar, a vida ficava tão leve e eu seguia em frente como se mágoa alguma me tivesse deixado a sua marca, como se tu nunca tivesses partido, ou como se tu e eu nunca tivéssemos sido nós, ou um só... como se esta tua ausência não fosse uma eterna perda.
E eu seguia em frente, tão leve, tão segura de mim, como se nada me pesasse, sem fantasmas, completa...
Hoje queria ter-te aqui, ao lado, na varanda. encostava a cabeça ao teu ombro e não falava, porque o silêncio entre nós era intenso em diálogos...
Se soubesses as saudades que tenho de ti. Não sabes, eu sei!
Ah! se não houvesse fantasmas...

Herberto Helder:
Há sempre uma noite terrível para quem se despede
do esquecimento. Para quem sai,
ainda louco de sono, do meio
do silêncio. Uma noite
ingénua para quem canta.
Deslocada e abandonada noite onde o fogo se instalou
que varre as pedras da cabeça.
Que mexe na língua a cinza desprendida.
E alguém me pede: canta.
Alguém diz, tocando-me com seu livre delírio:
canta até te mudares em cão azul,
ou estrela electrocutada, ou em homem
nocturno. Eu penso
também que cantaria para além das portas até
raízes de chuva onde peixes
cor de vinho se alimentam
de raios, seixos límpidos.
Até à manhã orçando
pedúnculos e gotas ou teias que balançam
contra o hálito.
Até à noite que retumba sobre as pedreiras.
Canta - dizem em mim - até ficares
como um dia órfão contornado
por todos os estremecimentos.
E eu cantarei transformando-me em campo
de cinza transtornada.
Em dedicatória sangrenta.
Há em cada instante uma noite sacrificada
ao pavor e à alegria.
Embatente com suas morosas trevas.
Desde o princípio, uma onde que se abre
no corpo, degraus e degraus de uma onda.
E alaga as mãos que brilham e brilham.
Digo que amaria o interior da minha canção,
seus tubos de som quente e soturno.
Há uma roda de dedos no ar.
A língua flamejante.
Noite, uma inextinguível
inexprimível
noite. Uma noite máxima pelo pensamento.
Pela voz entre as águas tão verdes do sono.
Antiguidade que se transfigura, ladeada
por gestos ocupados no lume.
Pedem tanto a quem ama: pedem
o amor. Ainda pedem
a solidão e a loucura.
Dizem: dá-nos a tua canção que sai da sombra fria.
E eles querem dizer: tu darás a tua existência
ardida, a pura mortalidade.
Às mulheres amadas darei as pedras voantes,
uma a uma, os pára-
-raios abertíssimos da voz.
As raízes afogadas do nascimento. Darei o sono
onde um copo fala fusiforme
batido pelos dedos. Pedem tudo aquilo em que respiro.
Dá-nos tua ardente e sombria transformação.
E eu darei cada uma das minhas semanas transparentes,
lentamente uma sobre a outra.
Quando se esclarecem as portas que rodam
para o lugar da noite tremendamente
clara. Noite de uma voz
humana. De uma acumulação
atrasada e sufocante.
Há sempre sempre uma ilusão abismada
numa noite, numa vida. Uma ilusão sobre o sono debaixo
do cruzamento do fogo.
Prodígio para as vozes de uma vida repentina.
E se aquele que ama dorme, as mulheres que ele ama
sentam-se e dizem:
ama-nos. E ele ama-as.
Desaperta uma veia, começa a delirar, vê
dentro de água os grandes pássaros e o céu habitado
pela vida quimérica das pedras.
Vê que os jasmins gritam nos galhos das chamas.
Ele arranca os dedos armados pelo fogo
e oferece-os à noite fabulosa.
Ilumina de tantos dedos
a cândida variedade das mulheres amadas.
E se ele acorda, então dizem-lhe
que durma e sonhe.
E ele morre e passa de um dia para outro.
Inspira os dias, leva os dias
para o meio da eternidade, e Deus ajuda
a amarga beleza desses dias.
Até que Deus é destruído pelo extremo exercício
da beleza.
Porque não haverá paz para aquele que ama.
Seu ofício é incendiar povoações, roubar
e matar,
e alegrar o mundo, e aterrorizar,
e queimar os lugares reticentes deste mundo.
Deve apagar todas as luzes da terra e, no meio
da noite aparecente,
votar a vida à interna fonte dos povos.
Deve instaurar o corpo e subi-lo,
lanço a lanço,
cantando leve e profundo.
Com as feridas.
Com todas as flores hipnotizadas.
Deve ser aéreo e implacável.
Sobre o sono envolvida pelas gotas
abaladas, no meio de espinhos, arrastando as primitivas
pedras. Sobre o interior
da respiração com sua massa
de apagadas estrelas. Noite alargada
e terrível terrível noite para uma voz
se libertar. Para uma voz dura,
uma voz somente. Uma vida expansiva e refluída.
Se pedem: canta, ele deve transformar-se no som.
E se as mulheres colocam os dedos sobre
a sua boca e dizem que seja como um violino penetrante,
ele não deve ser como o maior violino.
Ele será o único único violino
Porque nele começará a música dos violinos gerais
e acabará a inovação cantada.
Porque aquele que ama nasce e morre.
Vive nele o fim espalhado da terra. 

01/11/2010

Apelo...


 Só para dizer que a pessoa que faz isto não tem uma associação, fá-lo, simplesmente!

APELO 30/10/2010:
São muitos os casos que tenho tido a precisarem de ajudas veterinárias e tratamentos e infelizmente estamos em época de crise e as ajudas tem sido pouquíssimas.
Só rezava para que não me aparecesse à frente mais animais ou pelo menos animais que precisassem de acompanhamento veterinário, para que não tivesse que pedir ajudas e poder estabilizar as minhas finanças também, mas quem ajuda sabe que nunca conseguimos virar cara a mais um sofredor.
Hoje acordaram a pedirem-me ajuda para o menino das fotos (ZORI), quando cheguei ao local fiquei chocado com o estado daquele pobre animal, ele tem um grande corte a ver-se a carne no lombo e igualmente na pata dianteira direita, tem também outros ferimentos ligeiros mas sem gravidade pelo corpo todo, mas o do lombo e o da pata tinha que ser tratado com urgência, o vet acha que possa ter sido atropelado ou se tenha cortado com chapa ou algo semelhante, tinha também a espécie de uma hemorragia num dos olhos, está neste momento internado e irei busca-lo por volta das 16h a clínica. Este menino apesar do sofrimento em que se encontrava deixou-se aproximar e fazer festas e ate deixou-se ajudar, quando o tentamos meter no carro este não quis entrar para a mala, e fez questão de entrar para o banco de trás, fiquei com a sensação que ele estaria habituado a andar de carro. Não sei se estará perdido ou mesmo se terá sido mais um abandonado. Verificamos se teria Microchip mas infelizmente não tem.
As fotos foram tiradas de telemóvel a imagem não e boa, mas percebe-se a gravidade dos ferimentos,tentarei colocar melhores fotos mais logo.
Como sabem Ajuda 4 Patas não é associação pelo que não tenho instalações para acolher animais, preciso de uma FAT - Família de acolhimento temporário -  para este menino ou de preferencialmente um dono .
Quem quiser e puder dar o seu donativo para pagar a despesa do vet fica o meu NIB: 
0018 0000 32712893001 16 Santander Totta, enviem por favor comprovativo da transferência para o e-mail ajuda4patas@sapo.pt informando o v/ e-mail de forma a fazer chegar cópia das despesas.
Encontra-se no Porto.
Meu contactos: 911040816 / ajuda4patas@sapo.pt ou mensagem privada no facebook
ACTUALIZAÇÃO 30/10/2010 ÀS 17h30:
Estive a suplicar por FAT a tudo e todos que me lembrei, houve uma única resposta positiva, mas só poderá ter o Zori até 01/11 pois a filha foi para fora e a garagem esta de vago, a filha regressando quer voltar a ter a garagem livre.
O veterinário informou-me que ferimento no lombo estava demasiado profundo, em algumas partes chegou até ao osso.
Acabo de chegar do sítio que arranjei para o acolher estes 3 dias, está muito cabisbaixo, mas encontrava-se esfomeado comeu bastante ração, ficou deitadinho e embrulhado em cobertores, pois ele estava gelado e só tremia, terá agora que fazer antibiótico e anti-inflamatório durante uns dias e fazer curativos com Betadine e se Deus quiser ficara bom.
Em algumas das fotos são visíveis vários ferimentos leves que tem pelo corpo e orelhas, a coleira é em metal e encontra-se enferrujada, sinceramente não sei em que devo acreditar, se terá sido abandonado, se terá fugido…
Amigos partilhem o máximo possível, o Zori ficara sem lugar seguro daqui a 3 dias, preciso de FAT ou dono e ajudas para a conta do veterinário, que não foi tão pouca como isso, mas a hora de almoço foi o único que encontrei para poder socorrer o Zori.

30/10/2010

Será da chuva, será do tempo, será ...






















Como escreve Caio Fernando Abreu “Pensando melhor, continuavam sem saber, fazia muitos anos, se a realidade seria mesmo meio mágica ou apenas levemente paranóica, dependendo da disposição de cada um para escarafunchar a ferida.” (p. 45)
“Isso o remetia a outras feridas mais antigas, nem mais nem menos dolorosas, porque a memória da dor da ferida antiga amenizou-se, compreende? Menos pela cicatriz deixada, uma ferida antiga mede-se mais exactamente pela dor que provocou, e para sempre perdeu-se no momento em que cessou de doer, embora lateje louca nos dias de chuva.” (p. 45-46)

29/10/2010

Correntes...

"Às vezes, as correntes que nos impedem de ser livres são mais mentais do que físicas."

28/10/2010

Adeus, Não Afastes Os Teus Olhos Dos Meus


Quando dormes
E te esqueces
O que ves
Tu quem és
Quando eu voltar
O que vais dizer?
Vou sentar no meu lugar
Adeus
Nao afastes os teus olhos dos meus
Isolar para sempre este tempo
É tudo o que tenho para dar
Quando acordas
Porque quem chamas tu?
Vou esperar
Eu vou ficar
Nos teus braços
Eu vou conseguir fixar
O teu ar
A tua surpresa
Adeus
Não afastes os teus olhos dos meus
Eu vou agarrar este tempo
E nunca mais largar
Adeus
Não afastes os teus braços dos meus
Vou ficar para sempre neste tempo
Eu vou, vou conseguir para-lo
Vou conseguir para-lo
Vou conseguir
Adeus
Não afastes os teus olhos dos meus
Vou ficar para sempre neste tempo
Eu vou conseguir para-lo
Eu vou conseguir guarda-lo
Eu vou conseguir ficar

26/10/2010

Cine Eco


Como já devem ter reparado tenho estado ausente. Andei pelo Cine Eco em Seia.
Aproveitei e subi à Serra da Estrela, a paisagem queimada parte o coração, mas lá de cima  a vista continua a ser deslumbrante.
À conta do queijo tenho uns quilos  mais...



imagem daqui
Júri Internacional
GRANDE PRÉMIO CINE’ECO 2010
“Rumo à Eternidade” de Michael Madsen (Dinamarca, Suécia e Itália)
PRÉMIO ESPECIAL DO JURÍ
“Um Grau Faz a Diferença”, de Eskil Hardt (Dinamarca)
PRÉMIO EDUCAÇÃO AMBIENTAL
“Chaparri, Os Sete Ursos da Montanha Sagrada”, de Granger-Charles-Dominique e 
André Charles-Dominique (França)
PRÉMIO ÁGUA
“Vida à Venda”, de Yorgos Avgeropoulos (Grécia)
PRÉMIO VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS
“Efeito Reciclagem” – Sean Walsh (Brasil)
PRÉMIO VIDA NATURAL
“Xingu, A terra Ameaçada”, de Washington Novaes (Brasil)
PRÉMIO ANTROPOLOGIA AMBIENTAL
“As Horas do Douro”, de António Barreto e Joana Pontes (Portugal)
PRÉMIO POLIS
“Reidy, a Construção da Utopia”, de Ana Maria Magalhães (Brasil)
PRÉMIO CAMACHO COSTA
“Recife Frio” – de Kleber Mendonça Filho (Brasil)
MENÇÕES HONROSAS
“Viva a Crise”, de Alexei Gubenco (Roménia)
“Heavy Metal”, de Huanqing (China)
“Lugar Sem Pessoas”, de Andreas Apostolis (Grécia)
Júri da Lusofonia
PRÉMIO DA LUSOFONIA
“Efeito Reciclagem” de Sean Walsh, (Brasil)
MENÇÕES HONROSAS
“Vela ao Cruxificado”, de Frederico da Cruz Machado (Brasil)
“Verde às Cinzas”, do colectivo de crianças da escola EB 2,3 do Sardoal (Portugal)
“Horas do Douro”, de António Barreto e Joana Pontes (Portugal)
“Diga 33”, de Ângelo Lima (Brasil)
PRÉMIO ETNOGRAFIA
“Pelos Trilhos do Andarilho”, de Rodrigo Lacerda (Portugal)
Júri da JuventudePRÉMIO JUVENTUDE
“Rumo à Eternidade” de Michael Madsen (Dinamarca, Suécia e Itália)
MENÇÕES HONROSAS
“Chaparri, Os Sete Ursos da Montanha Sagrada”, de Granger-Charles-Dominique e André Charles-Dominique (França)
“Vida à Venda”, de Yorgos Avgeropoulos (Grécia)
“Pelos Trilhos do Andarilho”, de Rodrigo Lacerda (Portugal)
Júri das Extensões
PRÉMIO DAS EXTENSÕES
“As Horas do Douro”, de António Barreto e Joana Pontes (Portugal)
MENÇÕES HONROSAS
“Semeador Urbano”, de Cardes Amâncio (Brasil)
“Breu”, de Jerónimo Rocha (Portugal)
“Sonho de Humanidade”, de Amarildo Pessoa (Brasil)
para mais informações visite: http://www.cineeco.org/

19/10/2010

Fez-se justiça em Portugal...



imagem daqui
VALE A PENA PERDER um minuto A LER ESTE ARTIGO….
 Fez-se Justiça em Portugal. Finalmente..................... yupiiiiiiiiiiiiiiiiiiii
*A justiça portuguesa está de parabéns!

* Depois de anos e anos a batalhar eis que surgem os primeiros resultados.
· Desde a morte de Francisco Sá Carneiro e do eterno mistério que a rodeia,
· Ao desaparecimento de Madeleine McCann,
· Ao caso Casa Pia
· Do caso Portucale
· Da compra dos submarinos
· Às escutas ao primeiro-ministro
· Do caso da Universidade Independente
· Ao caso da Universidade Moderna
· Do Futebol Clube do Porto
· Ao Sport Lisboa Benfica
· Da corrupção dos árbitros
· À corrupção dos autarcas
· De Fátima Felgueiras
· A Isaltino Morais
· Da Braga parques
· Ao grande empresário Bibi
· Das queixas tardias de Catalina Pestana
· Às de João Cravinho
· Dos doentes infectados por acidente e negligência de Leonor Beleza com o vírus da sida.
.Do processo Costa Freire / Zeze Beleza, quem não se lembra ?
· Do miúdo electrocutado no semáforo
· Do outro afogado num parque aquático
· Das crianças assassinadas na Madeira
· Do mistério dos crimes imputados ao padre Frederico
· Do autarca alentejano queimado no seu carro e cuja cabeça foi roubada do Instituto de Medicina Legal
· A miúda desaparecida em Figueira
· Todas as crianças desaparecida antes delas, quem as procurou
· As famosas fotografias de Teresa Costa Macedo. Aquelas em que ela reconheceu imensa gente 'importante', jogadores de futebol, milionários, políticos.
· Os crimes de evasão fiscal de Artur Albarran
· Os negócios escuros do grupo Carlyle do senhor Carlucci em Portugal.
· O mesmo grupo Carlyle onde labora o ex-ministro Martins da Cruz, apeado por causa de um pequeno crime sem importância, o da cunha para a sua filha.
· E aquele médico do Hospital de Santa Maria, suspeito de ter assassinado doentes por negligência
Pois é... a justiça portuguesa está de Parabéns!
Depois de anos e anos a batalhar eis que surgem os primeiros resultados.
MULTADO POR GUIAR BURRA EMBRIAGADO
O agricultor que há uma semana foi apanhado a conduzir embriagado uma carroça puxada por um burra, na EN 17, em Celorico da Beira, foi ontem, quinta-feira, condenado, em processo sumário, a pagar 450 euros de multa. Pena pode ser substituída por trabalho comunitário, (Pois este sr. trabalha e não vive com qualquer subsidio do governo)
Jorge Rodrigues, de 34 anos, agricultor, foi condenado pelo Tribunal Judicial de Celorico da Beira, neste caso, a juíza Cláudia Jesus, que considerou “muito grave” o crime pelo qual o agricultor ia acusado, aconselhou-o a nunca pegar num veículo, seja ele a motor ou de tracção animal, depois de ter bebido, condenou um homem apanhado com uma taxa de álcool no san.uma pena de 90 dias de multa, à razão de cinco euros por dia, por ter sido apanhado a 11 de Agosto a conduzir o veículo de tracção animal com uma taxa de alcoolemia de 2,85 g/l no sangue.
O valor mínimo da multa aplicada, que totaliza 450 euros, teve em conta, segundo a juíza de turno que ditou a sentença, a situação social do arguido e o facto de ser primário. Foi-lhe ainda aplicada, como pena acessória, a inibição de conduzir qualquer veículo motorizado por um período de sete meses.
A pena exclui a proibição de o arguido guiar a carroça puxada pela burra, o meio de transporte que mais utiliza, pese embora ter licença, segundo o próprio, para conduzir tractores e motociclos." Venda a burra se ela for uma tentação”, desafiou
Até que enfim.... e em tempo recorde 8 dias depois julgado e condenado !!!!!!!!!!!!!!
YEAAAAAAAAH!...
Agora sim, sinto-me mais seguro !
Recebido por e-mail

Imperfeição...


"Quando amamos alguém, não perdemos só a cabeça, perdemos também o nosso coração. Ele Salta para fora do peito e depois quando volta, já não é o mesmo, é outro, com cicatrizes novas.
E outras vezes não volta. Fica do outro lado da vida, na vida de quem não quis ficar ao nosso lado."
Li por aí, não encontro a referência...



17/10/2010

Filmes que nos marcam: «La Tête en Friche»



«La Tête en Friche»
É o filme da 11ª festa do Cinema francês que mais me marcou. Trata-se de uma comédia do realizador Jean Becker e protagonizada por Gérard Depardieu, sobre a bela amizade entre um quarentão e a velhinha que lhe lia em voz alta, e está agora a ficar invisual."Germain (Gérard Depardieu) já passou há muito dos quarenta anos, leva uma vida pacata entre a caravana onde mora, a namorada e os amigos de café. Mal sabe ler. Mas a sua vida muda quando conhece, no parque onde vai todos os dias, uma velhinha fora do comum que começa a ler-lhe em voz alta. Nasce uma relação especial entre os dois e quando Margueritte (Gisèle Casadesus) perde a vista, Germain vai ter que fazer alguma coisa."
Gerard Depardieu está cada vez mais gordo, muito próximo de Obelix... Tão grande em tamanho como em capacidade para representar. Direi que neste filme está assombroso...
No filme ele faz um homem "simples" mas muito sensível. Senta-se todos os dia no banco do jardim a contar os pombos a quem baptizou com nomes de acordo coma as características que lhe observou.
É num  desses momentos que encontra Margueritta, uma  velhinha que lhe mostra o prazer de ler.
O filme não tem grandes histórias de amores, cenas de sexo, beijos  apaixonados, mulheres sensuais, tiros, roubos, tramas economico-finaceiras. Nada, o filme não tem nada que se compare com um filme americano produzido para o sucesso de bilheteira. Porém, posso dizer-lhes que é um daqueles filmes inesquecível.
Espero que chegue às salas de cinema porque tem muito para ensinar sobre o amor, as relações entre as pessoas, o respeito pelos mais velhos…
Deveria ser um filme que todos os pais viriam com os seus filhos para depois os educarem para o respeito pelos idosos e a descoberta do que têm para nos dar.
Numa altura em que a violência sobre os idosos aumenta a sociedade continua indiferente a este facto e à realidade incontornável: no futuro, seremos todos velhos.
Não sei qual a tradução que darão ao título do filme, mas se virem um cartaz com uma velhinha de 96 anos e o imensurável Gérard Depardieu, não percam a oportunidade. Acreditem, pode despertar o melhor que há em nós…

16/10/2010

Noite e Luar


Há filmes que nos arrasam...
"Manual do Amor"

Soluções inteligentes!?

Acabou o gás?
Pobre arranja sempre solução...

14/10/2010

Vizinhos...

Precisamos mudar a nossa sociedade...Ou melhor, cada um de nós precisa mudar.
Num bairro pacato, os vizinhos não tardam a bater à porta quando um dos moradores decide tocar bateria a altas horas da noite. Mas o que acontece umas noites depois, quando o mesmo morador finge uma cena de violência doméstica. Será que os vizinhos acorrem aos gritos da vítima? Uma curiosa experiência social levada a cabo em Johannesburg pela TOWA, uma instituição que luta contra a violência doméstica e abuso da mulher.
  

12/10/2010

Dúvidas...

Em todo este processo de quase falência do nosso país, surgem-me algumas dúvidas; tolas dirão uns, mas não deixam de ser as minhas dúvidas:
Facto 1: há desempregados - muitos -; há muita gente a receber subsídio de desemprego; há falta de auxiliares educativas nas escolas...
Pergunta nº 1 - porque não se seleccionam alguns destes desempregados, analisa-se o perfil e colocam-se nas escolas?
Facto 2: administrador do Banco de Portugal disse que era preciso criar uma entidade independente que avaliasse os bancos.
Pergunta 2: mas para quê? para arranjar mais um presidente, vice-presidente e mais uns corjas que vão viver à nossa conta? Por acaso alguém consegue obrigar os bancos a fazer alguma coisa minimamente justa e democrata?
Facto 3: Este ano o prémio Nobel da economia foi dado a 3 grandes economistas.
Pergunta 3 - Mas há bons economistas? se os há porque  a economia mundial está como está?
Facto 4: Afinal já não vai vigorar a obrigação de políticos, gestores e demais parasitas - incluindo presidente da república -  de não puderem acumular reformas e ordenado.
Pergunta 4: Onde se encomendam soldados suicidas?
Facto 5: brevemente teremos eleições para a presidência da república.
Pergunta 5: se já se sabe que vai ganhar este incompetente porque vão gastar o nosso dinheiro na campanha eleitoral?
Facto 6: Existem muitos e "bons" analistas económico-financeiros. Alguns até já foram ministros, secreta´rios de estado e similares...
Pergunta 6: porque não fizeram nada enquanto lá estiveram? e como lhes cobrar a sua cota de responsabilidade em toda a situação actual?
Facto 7: A oposição, à esquerda e à direita, não se manifestou a propósito do assunto do facto 4.
Pergunta 7: quem acredita na oposição?
Facto 8: o PSD não oferece alternativa a este miserável governo.
Pergunta 8: para quando um governo de salvação nacional?

10/10/2010

Festival "Os Sons de Almada Velha"

Festival


Até 30 de Outubro, a celebração da música erudita faz-se, sempre aos sábados, em algumas das mais emblemáticas igrejas de Almada.
São vários os espaços religiosos da cidade que vão receber, todos os sábados a partir de 25 de Setembro, o Festival "Os Sons de Almada Velha" numa iniciativa inserida no Projecto de Dinamização Sócio-Cultural de Almada Velha.
Neste ciclo de música erudita participam vários intérpretes nacionais e internacionais, com destaque para os grupos do Concelho de Almada como o Coro Juvenil da Academia de Música de Almada, o Coro Canto Novo e ainda o Coro Polifónico de Almada.
 A Igreja de Santiago, a Igreja de Nª Sr.ª do Bom Sucesso, a Ermida de S. Sebastião e ainda a Igreja e a Adega dos Frades do Seminário de S. Paulo, vão acolher os vários concertos deste Festival "Os Sons de Almada Velha".
Destaques
Dia 25 de Setembro - 19h00

"A Importância da Música na aproximação dos Fiéis à Igreja"
Igreja de Santiago
Dia 2 de Outubro - 18h00
"Missa a Oito Vozes"
Igreja Nª Senhora do Bom Sucesso
Dia 9 de Outubro - 19h00
"Padre António Vieira: A Palavra e a Música no Portugal Ultramarino"
Ermida de São Sebastião
Dia 16 de Outubro - 19h00
"Johann Sebastian Bach: uma faceta da sua Herança musical"
Seminário de São Paulo - Igreja
Dia 23 de Outubro - 19h00
"Música de Salão: um outro lado da escrita musical do Séc.XVIII"Seminário de São Paulo - Adega dos Frades
Dia 30 de Outubro - 19h00
"Um Retrato do Barroco: Les baricades misterieuses"
Ermida de São Sebastião
Mais informações aqui.