25/09/2010

Pablo Neruda: Morre lentamente...


Foto daqui
Morre lentamente
quem se transforma em escravo do hábito,
repetindo todos os dias os mesmos trajetos, quem não muda de marca
Não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente
quem faz da televisão o seu guru.
Morre lentamente
quem evita uma paixão,
quem prefere o preto no branco
e os pingos sobre os "is" em detrimento de um redemoinho de emoções,
justamente as que resgatam o brilho dos olhos,
sorrisos dos bocejos,
corações aos tropeços e sentimentos.
Morre lentamente
quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho,
quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho,
quem não se permite pelo menos uma vez na vida,
fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente
quem não viaja,
quem não lê,
quem não ouve música,
quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente
quem destrói o seu amor-próprio,
quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente,
quem passa os dias queixando-se da sua má sorte
ou da chuva incessante.
Morre lentamente,
quem abandona um projeto antes de iniciá-lo,
não pergunta sobre um assunto que desconhece
ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.

Evitemos a morte em doses suaves,
recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior
que o simples fato de respirar. Somente a perseverança fará com que conquistemos
um estágio esplêndido de felicidade.

Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news03/article.php?storyid=737#ixzz10XqLCxF5
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

Muere lentamente quien se transforma en esclavo del hábito, repitiendo todos los días los mismos trayectos, quien no cambia de marca, no arriesga vestir un color nuevo y no le habla a quien no conoce.
Muere lentamente quien evita una pasión, quien prefiere el negro sobre blanco y los puntos sobre las "íes" a un remolino de emociones, justamente las que rescatan el brillo de los ojos, sonrisas de los bostezos, corazones a los tropiezos y sentimientos.
Muere lentamente quien no voltea la mesa cuando está infeliz en el trabajo, quien no arriesga lo cierto por lo incierto para ir detrás de un sueño, quien no se permite por lo menos una vez en la vida, huir de los consejos sensatos.
Muere lentamente quien no viaja, quien no lee, quien no oye música, quien no encuentra gracia en sí mismo.
Muere lentamente quien destruye su amor propio, quien no se deja ayudar.
Muere lentamente, quien pasa los días quejándose de su mala suerte o de la lluvia incesante.
Muere lentamente, quien abandona un proyecto antes de iniciarlo, no preguntando de un asunto que desconoce o no respondiendo cuando le indagan sobre algo que sabe.

4 comentários:

Isa GT disse...

Há coisas que têm de ser feitas... porque não se tem opção, mas nas outras, nas escolhidas... nunca devem ser feitas sem paixão, senão... nem vale a pena começar ;)
Esta será, outra das minhas manias :D

Bjos

Kássia Kiss disse...

Bonito! Gostei muito :)

Lua Nova disse...

Neruda... e tudo já está dito...
Seu blog é muito lindo, aconchegante e delicado. A foto do teu cabeçalho é emocionante. Enfim, é encantador estar aqui.
Quero te convidar a conhecer meu blog e saborear uma mousse de chocolate comigo.
Beijokas.
Seguindo...

segurademim disse...

óptimo alerta!!

reforça a minha "queda" para a mudança, drástica e motivada

novas conversas, novos amigos, novos projectos, mais livros, dança, teatro, cinema, exposições, ginástica, novos projectos e viagens (muitas...)

bom domingo